Buscar
  • FEVERESTIVAL Campinas

AÇÕES PEDAGÓGICAS NO 15º FEVERESTIVAL ABREM DIÁLOGO ENTRE ARTISTAS E PÚBLICO PARA ALÉM DO PALCO

Através do contato com os artistas, realizado em oficinas gratuitas ministradas no Sesc Campinas, convidamos o público a vivenciar os processos de criação dos espetáculos desta edição

Ação pedagógica proposta pela Cia. Catibrum traz vivência em manipulação de bonecos para o público no Sesc Campinas (Foto: Guto Muniz)


por: Miguel Von Zuben


Dialogar com o público para além dos palcos: esta é uma das propostas que o Feverestival – Festival Internacional de Teatro de Campinas – traz em sua 15ª edição, com a presença de diversas ações pedagógicas abertas ao público em geral. As inscrições, que são gratuitas, já estão abertas e podem ser feitas no site do Sesc Campinas.


Em 2020, os grupos selecionados entre 400 candidatos de todo o Brasil, além dos convidados, propõem um mergulho sobre os processos de criação de seus próprios espetáculos e dialogam, desta forma, com outros artistas e diferentes profissionais de áreas que se convergem, como educadores, professores e profissionais da saúde.


Segundo Cynthia Margareth, que hoje coordena a realização das ações pedagógicas do Feverestival, estas oficinas trazem uma reflexão sobre a importância de se manter um trabalho continuado de base, de encontros sobre atividades culturais para além do espetáculo. “Este é um convite para que as pessoas possam conhecer o que levou à criação de cada um destes espetáculos, quais são os processos criativos que os grupos vivenciaram para partilhar a obra”.


Como ela explica, as ações foram pensadas para ter uma abrangência de público. Desta forma, muitas delas também podem ser acessadas por outros perfis de profissionais interessados nos temas abordados nas oficinas. “A gente propõe através das ações vivenciar, experienciar no seu corpo, na sua voz, no seu espaço, na sua relação com a cidade, diferentes formas de expressão”.


A sensibilização humana, apontada pela coordenadora das ações pedagógicas, pode gerar empatia com o modo do outro de criar e traz, desta forma, mais elementos para a profissionalização do público. “É um pensamento para que a gente integre outros coletivos e outros artistas, e também para que outros públicos se conectem através do Festival, não só no momento do espetáculo, mas no momento da potência criativa”, pontua.


Para realizar este ciclo de ações, o Feverestival conta com o apoio do Sesc Campinas, que já acompanhou o Festival de diversas outras maneiras em edições anteriores. “Estamos sempre construindo juntos. Vimos que as ações surgem da efervescência de cursos sediados na região de Barão Geraldo, mesmo local de onde nasce o Feverestival, e isso é muito importante para as artes cênicas de uma forma geral”, aponta a programadora Gabriella Almeida Rancan.


“Entendemos em conversas com o Núcleo Feverestival as ações pedagógicas em um sentido amplo, cada vez mais valorizado e estimulado. Existe uma importância muito grande em estudar para que haja um florescimento da classe, dos processos artísticos, das técnicas teatrais. Isso enriquece em muito a cena cultural”, diz a programadora, que reforça a potência encontrada na difusão entre os artistas. “Aqueles que participam das ações são multiplicadores e reverberadores deste processo, já que temos muitos grupos nesta edição que são referência nacional em suas áreas”.

Ação pedagógica A Cidade como Texto, o Texto como Monumento, propõe novo olhar para a cidade e para o Outro (Foto: Thiago Sabino)


Um mundo de possibilidades

A pedido da equipe de comunicação do Feverestival, a produtora das ações pedagógicas, Júlia Munhoz, contou um pouco a respeito de cada oficina.

“Vejo um espaço de troca que se abre, entre público e artistas, de diálogo e de afeto, que é diferente do lugar do espetáculo. Serão momentos potentes para o Festival em que, mais do que um conhecimento transmitido, vai haver um espaço de construção dentro dessa relação”. Veja abaixo um resumo do que a produtora nos relatou a respeito das ações desta 15ª edição:

“Tanto para quem é das artes, quanto para os que não são, alguns dos grupos trouxeram nestas ações pedagógicas temas que são muito importantes e estão sendo debatidos na contemporaneidade. A ação Vendas e Mordaças – Uma Vivência para Mulheres, do MANADA Teatro (Crato e Fortaleza/CE), é uma atividade proposta por duas mulheres com público exclusivo feminino, em que se propõe um debate sobre o ser mulher e suas questões.

A oficina Corpo Interseccional, da Renata Carvalho (São Paulo/SP), traz um conceito que ela usa que é o corpo abjeto [dissidente, fora do padrão normativo cisgênero], então ela debate esse corpo abjeto a partir das poéticas físicas e políticas de estar no mundo.

A ação pedagógica A Cidade como Texto, o Texto como Monumento, do Teatro do Concreto (Brasília/DF), oferece como proposta um novo olhar para a cidade que a gente ocupa. A partir de alguns passeios e observações das pessoas, das relações que se dão nesse espaço público da cidade, os participantes vão construir textos e materiais escritos e poéticos para fazer esse outro olhar e essa outra relação, que é poética com a cidade.

A Oficina Múltipla de Palavra, Corpo e Música, do Coletivo Preto e Cia. de Teatro Íntimo (Rio de Janeiro/RJ), sintetiza o processo do espetáculo Negra Palavra | Solano Trindade, em que os participantes da ação vão passar por esses três grandes aspectos, grandes pilares da cena: a palavra e a poesia; o corpo como agente e construtor destas relações; e a música como elemento que vem costurando tudo isso dentro de um contexto cênico.

Além das já citadas, a gente tem também a Vivência de Manipulação Direta e Atuação para Teatro de Bonecos, uma proposta da Cia. Catibrum Teatro de Bonecos (Belo Horizonte/MG), que pesquisa justamente esta linguagem. Essa é uma ação pedagógica mais específica e acaba possibilitando e atraindo outros tipos de público, como por exemplo pessoas que se interessam por contação de história, educadores e pessoas que trabalham com saúde. É uma vivência que traz ferramentas para diversas áreas de atuação para além do teatro”.


Inscreva-se

As ações pedagógicas do 15º Feverestival acontecem sempre no Sesc Campinas, que fica na Rua Dom José I, 270/333, no Bonfim, bem perto da Rodoviária de Campinas. Na nossa página de programação, é possível conferir todos os dias e horários de cada encontro.

Para se inscrever, procure a unidade do Sesc Campinas e garanta sua vaga (elas são limitadas!).


Serviço

15º Feverestival

Quando: 8 a 14 de fevereiro de 2020

Onde: Campinas/SP

Programação completa disponível em http://www.feverestival.com.br

Visite a gente nas redes sociais! Estamos no Instagram e também no Facebook


O Núcleo Feverestival é composto por Bruna Schroeder, Dandara Lequi, Dudu Ferraz, Lucas Michelani, Victor Ferrari e Vini Silveira. A curadoria dos espetáculos foi realizada por Bell Machado, Carlos Gomes, Cynthia Margareth, Dandara Lequi, Helena Agalenéa e Isis Madi.

A 15ª edição é uma realização do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, pela Sorella Produções Artísticas e pelo Feverestival; correalização da Universidade Estadual de Campinas, Lume Teatro (Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas Teatrais da Unicamp) e Cocen (Coordenadoria de Centros e Núcleos Interdisciplinares de Pesquisa). Contamos com apoio do SAE (Serviço de Apoio ao Estudante), Sesc, Sesi, Prefeitura Municipal de Campinas, ProEC, Secretaria de Cultura de México, através do Fonca (Fondo Nacional para la Cultura y las Artes), e SRE Consulado Geral do México.


88 visualizações
CONTATO
///
  • Instagram - White Circle
  • Facebook - Círculo Branco